Carreira

QUAL A MANEIRA DE ESCOLHER UMA PROFISSÃO?

Pessoas de todas as idades estão preocupadas com o seu futuro profissional e buscam diferentes caminhos, a procura de ampliarem seus conhecimentos e melhorarem suas chances no mercado de trabalho.

No entanto, em nosso país, os caminhos de formação e qualificação profissional não são lineares e é preciso esforço e dedicação no momento de escolher uma profissão. Investir em capacitação, aperfeiçoamento, especialização e atualização é importante, mas buscar conhecimento e entendimento de como fazer essa escolha é de suma importância.

Estamos em pleno século XXI e vivemos mudanças constantes e velozes, em meio a esse cenário o mercado profissional também sofre alterações: novas profissões são criadas e as tradicionais acabam não sendo mais tão atrativas.

Se você está prestes a fazer vestibular ou deseja mudar de carreira e profissão é importante se atualizar quanto ao mercado e as novas possibilidades.

Quando pensamos em futuro pensamos em “inovação” e imediatamente o que passa pela nossa cabeça é algo criativo e que te faz ter uma perspectiva diferente sobre algum ponto específico. No século XXI, algumas das áreas que mais se desenvolvem de acordo com um guia publicado pelo CIEE – Centro de Integração Empresa-Escola – são as de:

  • Tecnologia;
  • Comunicação;
  • Beleza e Estética;
  • Logística;
  • Saúde;
  • Petróleo e Gás, entre outras.

Hoje, temos uma vasta área de atuação profissional, desde as mais tradicionais que já estão sendo reinventadas com a ajuda da tecnologia e da inteligência artificial, tais como: medicina, engenharia, advocacia e ensino, mas também, as mais inovadoras como: engenharia de reciclagem de dados, aconselhamento de reabilitação para cibercriminosos juvenis, análise de mídias digitais, desenvolvimento de sistemas, “Business Partner” até treinamento de Empatia.

Atualmente, com essa mudança global no cenário das profissões é importante que estejamos preparados no momento da escolha ou da mudança em nossa área profissional, e aqui vão algumas dicas de como se preparar para esse momento, e vou trabalhar com quatro áreas que para mim são a base, o ponto crucial para uma tomada de decisão mais assertiva, não que você não vá errar ou se arrepender no futuro, mas com certeza trabalhar essas áreas vai te deixar muito mais habilidoso, decidido, competitivo e conhecedor de si e terá sucesso na área que escolher:

Autoconhecimento:

Eu costumo dizer que esse é o segredo para o sucesso. Pense nos grandes líderes e empresários, ou em  pessoas de sucesso que você admira. Com certeza, se você perguntar quem elas são, o que gostam e o porquê dos seus respectivos êxitos, a resposta estará na ponta da língua.

Nessa minha jornada, como psicóloga, Coach de carreira e gestora de RH, me deparo frequentemente com a dificuldade das pessoas em falarem sobre si. Elas estão conectadas a tudo e a todos, menos a si próprias. E isso é um problema porque perde-se a sua identidade, a sua verdadeira essência. Dito isso, a dica aqui é: conecte a si mesmo, descubra as suas forças e identifique seus pontos de melhorias.

E para ajudar nessa construção de identidade, seguem algumas perguntas que você deve responder:

Quem eu sou? O que gosto de fazer? O que eu faço bem? Quais as coisas que são importantes para mim? O que eu não faria em hipótese alguma? Quais os pontos em mim que me incomodam? O que no meu comportamento preciso mudar?

Siga esse roteiro, responda essas perguntas, desenhe o seu “EU” e em seguida, de coração aberto, sem preconceitos, converse com pessoas da sua confiança e que conheçam você realmente, e que lhe façam as mesmas perguntas. Nesse momento, ouça-as, analise, faça perguntas se necessário para clarificar suas dúvidas e para validar a sua construção inicial. Esse exercício te ajudará a entender se você está sendo congruente, ou seja, se quem você pensa ser é a mesma pessoa no discurso e na prática.

Valores:

Um valor é uma convicção ou atitude que lhe servirá de guia na vida. Todos nós possuímos valores e eles irão de toda forma, dirigir nossa vida. Eles foram construídos ao longo da nossa existência e muitos deles são herdados da família, religião, sociedade. Com o passar dos anos, alguns valores legados por nossa família, por exemplo, não fazem mais sentido, não são mais úteis para nós. Com a maturidade, precisamos mudar e criar nossa própria identidade. Às vezes, precisamos nos manter fiéis aos nossos verdadeiros valores, a nossa essência, visto que, são componentes de uma firme noção de autovalorização. Os seus valores são únicos e pessoais; dizem respeito à sua essência, ao seu “EU” verdadeiro.

Aqui, o exercício será definir seus 10 principais valores com base nas seguintes áreas da vida:

  • Valores individuais: amor, respeito ao próximo, liberdade, dignidade…
  • Valores Espirituais: “a vida é curta, viva o momento”, “a vida tem um propósito”, “a fé é importante para mim”…
  • Qualidades pessoais: paciência, atitude positiva, ser focado, ser dinâmico, ser enérgico, ter opiniões claras e bem definidas…
  • Valores referentes à imagem: ser conhecido, ser amado e bem tratado, popular entre as pessoas em geral, ser uma pessoa forte…
  • Valores referentes ao estilo de vida: ter uma vida ocupada, ter uma vida pacata, ser organizado, ser espontâneo, possuir coisas belas, poupar dinheiro, gastar dinheiro…
  • Valores referentes à atitudes: ser positivo e otimista, ser realista, ser aventureiro e curioso, apreciar o risco, ser cauteloso…

Crenças limitantes:

Ao longo de nossa vida, fomos influenciados positiva e negativamente, pelas pessoas ao nosso entorno, pela cultura, sociedade, família e também pelas situações que experiênciamos em nosso dia a dia. É desta forma que vamos formando nossos modelos mentais e as percepções do mundo, mas que nem sempre correspondem à realidade.

Dessa forma é que nascem as nossas crenças limitantes, que são pensamentos, interpretações que você toma como verdadeiros, mas que no fundo são falsas ou pelo menos não são verdades absolutas. Essas crenças impedem a sua vida de se tornar melhor, de você crescer ou tomar decisões assertivas.

Ou seja, quanto mais somos submetidos a experiências ruins, mais acumulamos uma imagem mental negativa sobre nós mesmos e demais pessoas, e assim, nos limitamos e criamos as crenças. Por exemplo, na infância os pais dizem aos seus filhos que eles são burros e fracos, ou os comparam com outra criança mais inteligente e forte. Muito provavelmente, esta atitude os sabotará e os deixarão mais inseguros em suas ações ao longo da vida.

O exercício aqui é identificar essas crenças limitantes e fazer as seguintes perguntas a fim de eliminá-las:

O que essa crença lhe traz de valor? Quais são os ganhos em acreditar nessa crença? Quais as experiências positivas e negativas vivenciadas com essa crença? Quais estados emocionais positivos e negativos eu tenho com essa crença?

Ao responder esse ciclo, você terá uma surpresa. Entenderá a essência dessa crença e o impacto na sua vida.

Objetivos de Carreira

Trabalhado os três pontos acima, você se encontrará muito mais forte e conhecedor de si mesmo. Este é o momento de estudar as carreiras e analisar seu perfil para entender com quais profissões você se identifica mais. Às vezes, nos identificamos com várias áreas. Nesse caso, separe três e analise dentre elas qual tem mais a ver com todo esse mapeamento de perfil que você fez anteriormente.

Num segundo momento, temos o planejamento do sonho. Agora, analisando esse trabalho o que realmente gosto, quais são meus valores. Pense em como você se vê em sua área profissional daqui a cinco, dez anos. Este é o momento de sonhar grande.

O exercício aqui é fazer uma linha da vida. Pegue uma folha e faça uma linha imaginária, começando hoje e indo até o ano de 2029 (10 anos). Faça, também, uma marcação no meio da linha e registre o ano de 2024 (5 anos).

Agora, faça o seu planejamento de carreira, etapa por etapa, ano a ano. Faça pequenas anotações na linha do tempo com pontos importantes de como deseja estar, em paralelo, faça um plano de ação para a realização desses objetivos. Por exemplo: daqui a cinco anos quero trabalhar como colaborador CLT em uma empresa multinacional. Primeiro passo: preciso entrar na faculdade em meados de 2019 e vou cursar a faculdade de Administração. Segundo passo: fazer um curso de línguas (inglês, espanhol, chinês). Terceiro passo: cadastrar meu currículo em sites de estágio. Quarto passo: selecionar as vagas que são de meu interesse e focar apenas em multinacionais. Quinto passo: começar a escrever sobre minha área de atuação. Último passo: participar de congressos.

Agora é mão na massa, colocar tudo isso em prática. Lembre-se, o segredo é a atitude.

O foco e o treino modelam um verdadeiro campeão.

Maria Pereira

Continue Lendo

Gestão de Pessoas e sua estratégia para reter talentos.

Em meio a esse cenário sempre muito competitivo e desafiador aliado à tecnologia que vem como parceira de negocio trazendo processos muito mais precisos e ágeis e que assombra vários postos de trabalhos é nesse mundo que estamos inseridos e é onde setor de Gestão de pessoas das empresas precisa se preocupar em criar estratégias para reter seus talentos, mantendo esses colaboradores sempre em alta performance e sincronizados com os valores e cultura organizacional. Vou falar nesse artigo sobre algumas estratégias que as empresas precisam pensar para não perder mais talentos e que não tem custos extras.

Processo seletivo alinhado a estratégia: um processo seletivo estruturado e com ferramentas de análise comportamental aumenta significativamente a chance de contratação de um talento adequado para o posto desejado. Além de avaliar as competências técnicas e comportamentais do candidato, é importante se preocupar em selecionar perfis que apresentem expectativas que sejam compatíveis com a filosofia e cultura da empresa, garantindo assim um ambiente equilibrado;

Processo de integração/desenvolvimento do profissional: as empresas precisam assegurar que seus novos colaboradores serão acolhidos e inseridos no contexto organizacional de maneira que se sintam seguros, ficando claro qual cargo, tarefas e o lugar que ocuparão na organização, bem como o funcionamento das diretrizes, políticas e processos com os quais estarão envolvidos, é de suma importância que tenha um Gestor que o apoie no processo de desenvolvimento e crescimento dentro da organização;

Plano de carreira/crescimento: é importante que as empresas tenham mapeado todos os cargos e o desenho do organograma e que isso seja compartilhado entre todos, hoje para os mais jovens é impensável entrar em uma empresa e se aposentar depois de 30 ou 40 anos no mesmo cargo. As pessoas querem ser desafiadas, querem experimentar novas áreas de atuação, obter conhecimento em várias áreas mesmo não sendo da sua área de atuação. È importante ter estratégias de crescimento não só verticalmente, mas pensar em crescimento de forma horizontal também, às vezes mudar de área faz mais sentido do que subir um degrau.  

Ter metas bem definidas: ter processos bem definidos é importante para que as tarefas sejam realizadas de maneira eficiente, a forma de se comunicar uma meta deve ser clara e objetiva é importante que todos tenham entendimento sobre ela dessa forma temos eficácia nos resultados esperados pela organização e proporcionando a realização do profissional por atender as demandas e alcançar as metas;

Canal de comunicação eficiente: é importante ter um canal de comunicação aberta com seus colaboradores, à comunicação eficiente proporciona clareza e segurança aos colaboradores, mantendo sempre um clima favorável e seguro; 

Clima organizacional saudável: os gestores de áreas, bem como o RH, deverão conhecer sobre modelos comportamentais a fim de entender os comportamentos de suas equipes durante a execução dos processos. Devem ainda primar, por um ambiente que permita aos integrantes se sentirem pertencentes à empresa, podendo colaborar com sugestões e usar da criatividade para abrir caminhos e oportunidades futuras dentro da organização. É importante que seja uma empresa que tenha coragem de errar e trabalhar isso com suas equipes, por isso a importância da implantação da cultura de feedback constante.

Quando o profissional se sente seguro e o ambiente de trabalho faz sentido na vida dele, ele percebe o desafio como oportunidade de desenvolvimento, tende a se engajar e se fidelizar a organização. Esse comportamento proporciona à empresa capital intelectual que certamente colaborará para seu crescimento e resultados financeiros.

Continue Lendo

Assine nossa Newsletter!